João David Pinto Correia

João David Pinto-Correia, nascido em S. Gonçalo, Funchal (Madeira), fez o Ensino Primário e o Ensino Secundário no Funchal. É licenciado em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, fez o D.E.A. (Diplôme d' Études Approfondies) e participou nos seminários do Doutoramento “Troisième Cycle” (orientação de A. J. Greimas) na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris. Doutorou-se em Letras (Literatura Portuguesa), na Universidade de Lisboa.

É Professor Aposentado do Ensino Superior, tendo sido docente no Departamento de Literaturas Românicas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, de 1974 a 2009. De 2005 a 2007, foi Presidente da Comissão Científica do Departamento de Literaturas Românicas da FLUL. Tem sido também Diretor do Centro de Tradições Populares Portuguesas (CTPP) "Prof. Manuel Viegas Guerreiro", da Universidade de Lisboa (atual polo do CLEPUL), e da Revista Lusitana - Nova Série

É membro de algumas associações científicas e culturais (Associação Portuguesa de Escritores, PEN Club, Sociedade de Geografia de Lisboa, Associação Portuguesa de Literatura Comparada, Associação Internacional dos Críticos Literários e Associação Portuguesa de Salvaguarda do Património Cultural Imaterial). Desde 2010, faz parte da Direção do PENClube Português e, desde 2012, da Direção da Associação Portuguesa para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (APSPCI).

Colaborou como docente na Universidade do Algarve, na Universidade da Madeira, na Universidade de Macau, na Universidade Católica e na Universidade Aberta. No estrangeiro, foi "Diretor de Estudos" na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris, e orientou seminários e cursos na Dinamarca (Copenhaga e Arrhus), Alemanha (Colónia e Aachen), França (Paris IV, VIII, Nanterre e Poitiers), Espanha (Madrid e Santander), Itália (Perugia, Veneza, Viterbo), Polónia (Cracóvia), Brasil (João Pessoa, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Salvador / Bahia), Índia (Nova Delhi  e Goa) e Malásia (Kuala Lumpur).

De 23 de abril de 1993 a 26 de julho de 1996, foi Presidente da Comissão Instaladora da Universidade da Madeira (com atribuições de Reitor); pelo cumprimento das suas funções, recebeu um louvor do plenário do Conselho do Governo Regional da Madeira, de 24 de julho de 1996 (Resolução nº. 977/ 96, publicada em Região Autónoma da Madeira – Jornal Oficial, I Série, nº. 88, 12 de Agosto de 1996), e um louvor público do Ministro da Educação (Diário da República – II Série, nº. 197, de 26 de Agosto de 1996).

De 2010 a 2013, foi o Investigador Responsável do Projecto PTDC/CLE-LLI/104023/2008 – Arquivo Digital de Literatura Oral Tradicional (ADLOT), da Fundação para a Ciência e Tecnologia e Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
 
As suas principais publicações são A Literatura Juvenil em Portugal, Lisboa, 1973;  Luz e Calor do Padre Manuel Bernardes: Estrutura e Discurso, Coimbra, 1978; Autobiografia e Aventura na Literatura de Viagens: a Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, Lisboa, 1979 (2.ª ed., 1983); Romanceiro Tradicional Português, Lisboa, 1984; O Essencial sobre o Romanceiro Tradicional, Lisboa, 1986; Os Romances Carolíngios da Tradição Oral Portuguesa, 2 vols., INIC, Lisboa, 1993 (Vol. I) e 1994 (Vol. II); O Significado Cultural duma História Carolíngia: a Tragédia do Marquês de Mântua de Baltazar Dias, Funchal, 1994; Os Militares e a Literatura Madeirense, Funchal, 1998; Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, Lisboa, 2002; e Romanceiro Oral da Tradição Portuguesa, Lisboa, 2003.

Tem colaborado com entradas e capítulos em dicionários e obras coletivas e assinado estudos e artigos (dos quais prepara antologias) em várias revistas e jornais. É também autor de dois livros de poesia: Este Branco Silêncio, Funchal, 1991, e Onze Mais Um Poemas e Lugares, Funchal, 2001.