Workshop e Mesa-Redonda: Tradução e Circulação. Que lugar para as literaturas africanas de língua portuguesa?
11 de Abril de 2019 | 10h-15h30 | Sala B3 (Biblioteca)
Coordenador: Marco Bucaioni
Para mais informações: clepul.gi2@gmail.com
Formulário de Inscrição: https://forms.gle/DnvLaPL1BwJoZZKw9
CLEPUL (GI2)

Apresentação


As literaturas africanas escritas em português parecem gozar de boa saúde dentro e fora do espaço de língua portuguesa: 6 prémios Camões foram para autores africanos (incluindo o que não foi aceite por Luandino Vieira), vários centros de investigação e faculdades dentro e fora de Portugal dedicaram e dedicam o seu esforço de pesquisa ao estudo de sectores destas tradições literárias, alguns autores africanos são amplamente conhecidos pelo público não académico. Ao mesmo tempo, a tradução para outras línguas levou a escrita de alguns desses autores para outros países, sendo que alguns autores podem ser considerados claramente internacionalizados (Mia Couto, Agualusa, por exemplo).

Mas como é que circulam as literaturas africanas escritas em português fora do espaço de língua portuguesa em tradução? Os mecanismos de mundialização da literatura em que medida ajudam/dificultam a circulação destas literaturas fora do espaço de língua portuguesa? Como são recebidas as traduções publicadas lá fora? Em suma: que lugar ocupam as literaturas africanas escritas em português no sistema literário mundial?
O nosso workshop decorrerá com uma primeira sessão de discussão e problematização a partir da pergunta do título, para continuar com uma segunda parte com propostas de tradução de trechos seleccionados de textos em que se tentarão soluções novas para problemas antigos na tradução de um corpus literário pós-colonial.